EFE/MAURICIO DUEÑAS CASTAÑEDA
EFE/MAURICIO DUEÑAS CASTAÑEDA

Santos é o 6º latino-americano a receber o prêmio Nobel da Paz

Presidente colombiano receberá o reconhecimento no sábado em Oslo por seus esforços para acabar com o conflito armado no país

O Estado de S.Paulo

09 Dezembro 2016 | 11h45

BOGOTÁ - O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, que recebe no sábado em Oslo o prêmio Nobel da Paz de 2016 por seus esforços para acabar com o conflito armado em seu país, é o sexto latino-americano a obter o reconhecimento, concedido desde 1901.

Em 1992, a guatemalteca Rigoberta Menchú, conhecida pela defesa dos povos indígenas, recebeu o Nobel por seu trabalho a favor da "justiça social e do reconhecimento dos indígenas". Cinco anos antes, em 1987, o então presidente da Costa Rica Óscar Arias (1986-90 e 2006-2010), foi premiado "por seu trabalho pela paz na América Central", região afetada por guerras civis, em especial na Nicarágua e em El Salvador.

O diplomata mexicano Alfonso García Robles dividiu o prêmio em 1982 com a sueca Alva Myrdal pelo "trabalho nas negociações na ONU" sobre o desarmamento e para que a América Latina ficasse sem armas nucleares”.

Dois anos antes, em 1980, o argentino Adolfo Pérez Esquivel, fundador de uma organização de defesa dos direitos humanos durante a ditadura militar em seu país, recebeu o prêmio. Detido pelo regime militar, ele acendeu "uma luz na escuridão da violência em seu país", de acordo com o Comitê Norueguês do prêmio.

O primeiro Nobel da Paz concedido a um latino-americano aconteceu em 1936. O então chanceler argentino Carlos Saavedra Lamas, que foi presidente da Assembleia da Sociedade das Nações (antecessora da ONU), foi premiado pela mediação da paz no conflito entre Bolívia e Paraguai.

Com 20 premiados, os EUA têm o maior número de vencedores do Nobel da Paz, seguidos por Reino Unido (12), França (9) e Suécia (5). As diferentes organizações da ONU foram premiadas 19 vezes. / AFP

Mais conteúdo sobre:
Farc Juan Manuel Santos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.