John Vizcaino/Reuters
John Vizcaino/Reuters

Santos afirma que Equador será sede de negociação de paz entre Colômbia e ELN

Presidente colombiano disse que acontecimento será ‘um passo muito importante para o progresso’ do país e de toda a região

O Estado de S. Paulo

25 Abril 2016 | 10h22

MANTA, EQUADOR - O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, ratificou no domingo que o Equador será sede das negociações de paz entre seu governo e a guerrilha do Exército da Libertação Nacional (ELN), em visita às áreas afetadas pelo terremoto que devastou a costa equatoriana na semana passada.

"As reuniões formais, quando for decidida a data, entre o ELN e a Colômbia para inciar a parte pública serão realizadas aqui no Equador, graças a sua generosidade, presidente (Rafael) Correa", declarou Santos em uma coletiva de imprensa, depois de visitar regiões destruídas no porto de Manta, uma das cidades mais afetadas pelo terremoto de 7,8 graus na escala Richter.

O presidente completou que "isto vai ser um passo muito importante também para o progresso não somente da Colômbia, mas de toda a região".

Santos havia dito que "não teria problema" em o Equador renunciar a ser sede dos diálogos de paz com o ELN. "Se eu vejo que esta situação dificulta em algo para que as negociações sejam realizadas lá, não há qualquer problema em mudar o local, mas isto deve ser discutido com o presidente Correa", declarou Santos.

Em 30 de março, o governo colombiano e o ELN, segunda guerrilha ativa do país depois das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), anunciaram em Caracas o início de um processo de paz para colocar um fim a mais de meio século de conflito armado, e informaram que instalarão uma mesa de negociações no Equador.

Os diálogos, para os quais ainda não foi definida uma data, também serão realizados no Chile, Brasil, Venezuela e Cuba, que junto com a Noruega serão as garantias do processo de paz, similar ao realizado pelas Farc em Havana desde 2012. /AFP

Mais conteúdo sobre:
Equador Colômbia negociação de paz ELN

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.