Santos promete devolver terra a camponês colombiano

Antes do fim do ano pelo menos 130 mil famílias terão de volta as terras que lhes foi roubada, afirmou hoje o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos. Segundo o presidente, essas famílias receberão de volta um total de 312 mil hectares em várias partes de sete dos 32 departamentos (Estados) do país: Chocó, Tolima, Magdalena, Cesar, Norte de Santander, Bolívar e Antioquia.

AE-AP, Agência Estado

20 de outubro de 2010 | 17h39

"Nós nos comprometemos a devolver 312 mil hectares de terras a quase 130 mil famílias camponesas em uma primeira etapa deste plano que será cumprido até o próximo dia 31 de dezembro", afirmou Santos, durante um seminário sobre a devolução de terras realizado num hotel em Bogotá. Trata-se "de propriedades (lotes) que inicialmente haviam sido entregues aos camponeses, que pouco depois tiveram de abandoná-las por causa de ameaças de grupos armados ilegais" que se apropriaram da terra ou elas foram concedidas a terceiros de forma fraudulenta, afirmou Santos.

O governo elabora um projeto de lei que não apenas inclui a devolução dos lotes, mas também projetos para o sustento das famílias e o desenvolvimento agrícola dessas terras, além da entrega dos títulos de propriedade. O presidente não falou sobre a data na qual o projeto legislativo será apresentado.

Santos disse que a devolução das propriedades não "vai se transformar em uma caça às bruxas" e que "os proprietários honestos, que tenham trabalhado com dedicação e retidão podem ficar tranquilos". A primeira devolução de terras do governo Santos ocorreu em 3 de setembro, quando o presidente entregou 1.600 hectares de uma fazenda, no departamento de Bolívar, no norte colombiano, a 400 famílias camponesas. Segundo o governo, as terras haviam sido "tomadas" pelo ex-chefe narcotraficante Carlos Mario Jiménez, conhecido como "Macaco", extraditado para os Estados Unidos em maio de 2008.

Tudo o que sabemos sobre:
devoluçãoColômbiaterrascamponeses

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.