São mais de 20 os mortos em atentado no Paquistão

Um suicida carregando explosivos numa pasta atacou uma mesquita xiita lotada no leste do Paquistão, matando pelo menos 22 pessoas e ferindo mais de 50 durante as preces de sexta-feira. Soldados foram enviados à cidade de Siaklot para restabelecer a ordem após o atentado. Um importante clérigo xiita vê o ataque como um ato de vingança pela morte de um terrorista acusado pelo assassinato, em 2002, do jornalista americano Daniel Pearl. Especialistas em explosivos desarmaram uma segunda bomba, deixada do lado de fora da mesma mesquita. Centenas de xiitas estavam aglomerados no local, e a desativação do segundo explosivo provavelmente salvou dezenas de vidas. O presidente do Paquistão, general Pervez Musharraf, disse que a explosão mostra que "terroristas não têm religião e são inimigos da humanidade". Nos três anos desde que Musharraf se comprometeu a ajudar os Estados Unidos na guerra ao terrorismo extremistas islâmicos, muitos ligados à Al-Qaeda, lançaram diversos ataques no país.

Agencia Estado,

01 Outubro 2004 | 13h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.