São mais de 40 os mortos em onda de ataques no Iraque

Em uma ofensiva em várias partes da região sunita, grupos rebeldes mataram mais de 40 pessoas, na grande maioria membros das forças de segurança iraquianas. Ataques contra delegacias ou postos militares causaram a morte de 34 policiais ou membros da Guarda Nacional do Iraque. Essa demonstração de força ocorreu apenas um dia depois de o líder da rede terrorista Al-Qaeda, o saudita Osama bin Laden, ter feito um chamado ao povo iraquiano, numa fita de áudio, para que não participe da eleição marcada para 30 de janeiro e resista às forças de ocupação. Bin Laden expressou apoio ao extremista jordaniano Abu Musab al-Zaqawi, um dos líderes da insurgência no Iraque.Numa das ações mais sangrentas, homens armados invadiram a delegacia de Dijla, ao sul de Tikrit (180 quilômetros ao norte de Bagdá) e mataram 12 policiais a sangue frio, cortando suas gargantas, disse o coronel Abdala Jeburi. Eles foram levados para fora das do prédio e executados. Depois, os rebeldes explodiram a delegacia. Outro distrito policial, em Ishaki, ao sul de Samarra (125 quilômetros ao norte de Bagdá), sofreu ataque semelhante, deixando cinco mortos. Ainda em Samara, três policiais e um guarda morreram na explosão de um carro-bomba que parecia ter como alvo um blindado americano.Perto de Ramadi, rebeldes mataram o vice-governador da Província de Anbar, Hardan al-Issawi, e deixaram ao lado do corpo um bilhete dizendo que esse será o destino de todos os que se envolverem com as tropas americanas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.