São Paulo e Rio entre as cidades mais baratas do mundo

A desvalorização do real em 2001 fez com que São Paulo e Rio de Janeiro despencassem no ranking do custo de vida das 134 principais cidades do mundo elaborado pela consultoria britânica Economist Intelligence Unit. A capital paulista, que há seis meses ocupava a 81ª posição no ranking, é agora, juntamente com o Rio, a 120ª cidade mais cara. "Com a queda do real, Rio e São Paulo passaram a pertencer ao grupo das cidades mais baratas do mundo", disse à Agência Estado Bill Ridgers, analista da EIU. A pesquisa, intitulada "Worldwide Cost of Living Survey", compara preços e produtos de cidades. Seu objetivo é fornecer um guia para as empresas poderem calcular as despesas e benefícios de seus funcionários enviados ao exterior. Entre as cidades latino-americanas, Buenos Aires e a cidade do México têm os custos mais elevados, dividindo a 21ª posição. Mas A EIU alertou que, no caso de Buenos Aires, o estudo não levou em conta a recente desvalorização do peso. A mais barata da região é Assunção (123ª). Segundo a EIU, torcedores que estão pensando viajar para o Japão na Copa do Mundo, devem preparar os seus bolsos. Osaka Kobe e Tóquio são as duas cidades mais caras do mundo. Uma corrida de táxi do aeroporto de Tóquio até o centro custa cerca de US$ 230, e uma refeição para duas pessoas, sem grandes luxos, pode custar US$ 185. Já na Coréia do Sul, o prejuízo não será tão grande. O custo de vida em Seul (21ª) caiu muito ao longo dos últimos doze meses. Hong Kong ocupa o terceiro lugar no ranking. Em contrapartida, Teerã continua sendo a mais barata do mundo, juntamente com Nova Délhi e Karachi. Oslo, no 4ª lugar, é a cidade mais cara da Europa, enquanto Londres (5ª) lidera na União Européia. Paris ocupa a 14ª posição. Segundo a EIU, com o euro ainda fraco, o custo de vida na eurozona continua relativamente baixo. Munique (44ª), por exemplo, ocupa a mesma posição da cidade chinesa de Tianjin, no ranking, enquanto Atenas (84ª) é mais barata do que Montevidéu (82ª). Nova Iorque (7ª) continua sendo a cidade norte-americana com o custo de vida mais elevado, seguida por Chicago (10ª). Na África, Libreville, no Gabão, ocupa um impressionante quarto lugar no ranking.

Agencia Estado,

23 Janeiro 2002 | 22h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.