São pelo menos 112 os mortos em conflito na Tailândia

Policiais tailandeses enfrentaram militantes islâmicos que invadiram diversos postos de segurança no sul do país empunhando machetes, deixando pelo menos 112 mortos em um dos dias mais sangrentos da história moderna deste reinado do sudeste asiático.Os agressores - adolescentes em sua maioria - tentavam roubar armas. Eles não levavam armas de fogo e aparentemente não sabiam que a polícia havia sido avisada, com antecedência, do ataque. Dos 112 mortos, apenas cinco eram agentes de segurança. Os 107 restantes eram militantes islâmicos.Em Bangcoc, o primeiro-ministro da Tailândia, Thaksin Shinawatra, alegou que o incidente poderia ajudar conter o ímpeto separatista islâmico em um país majoritariamente budista. De acordo com ele, a insurgência islâmica é financiada por traficantes de drogas e políticos corruptos, e não por grupos estrangeiros.As oito horas de violência terminaram quando a polícia disparou bombas de gás lacrimogêneo e granadas propelidas por foguete contra uma mesquita do século 16, matando 32 militantes que se refugiaram dentro do templo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.