São três os mortos em tiroteio em escola argentina

Foram três os estudantes mortos por um colega na escola pública Malvinas Argentinas, na cidade de Carmen de Patagones, na Patagônia. As autoridades de Educação da Argentina chegaram a anunciar quatro mortes, mas depois corrigiram a informação, também publicada pelo Portal Estadão.com.br e agora retificada. Após voltar da cerimônia de hasteamento da bandeira e ir para a salas de aula, Rafael Soldich, de 15 anos, sacou uma pistola e começou a atirar. Três adolescentes morreram imediatamente com tiros no estômago. Depois de esvaziar a arma, o jovem saiu da sala, e no corredor do colégio, pôs um novo pente de balas e voltou a disparar, ferindo outros seis estudantes. Quando a pistola ficou novamente sem balas, tirou uma faca da cintura e ameaçou prosseguir com a chacina usando a arma branca. Segundos depois, começou a chorar e se entregou à polícia, que acabava de chegar à escola, alertada pelos tiros. O crime abalou a pacata Carmen de Patagones e transformou-se no principal assunto da Argentina. O presidente residente Néstor Kirchner classificou o massacre de doloroso e decretou luto nacional por dois dias. O Ministério da Educação convocou os professores a promover nesta quarta-feira uma jornada de repúdio, dor e reflexão sobre o ocorrido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.