Sarah é acusada de mau uso de recursos

Governadora cobrou diárias de viagem quando dormiu em casa, diz jornal

James V. Grimaldi e Karl Vick, The Washington Post, Anchorage, Alasca, EUA, O Estadao de S.Paulo

10 de setembro de 2008 | 00h00

A governadora do Alasca e candidata republicana à vice-presidência dos EUA, Sarah Palin, usou o dinheiro dos contribuintes para receber diárias de viagem por 312 noites em que permaneceu em sua própria casa, durante os primeiros 19 meses no cargo. Além das diárias, ela recebeu verbas para cobrir gastos de viagens oficiais nas quais levou a família.A denúncia - a primeira de malversação envolvendo Sarah desde sua indicação para vice na chapa de John McCain - é do jornal The Washington Post, de acordo com a análise dos relatórios de viagem da governadora.Sarah, que ganha US$ 125 mil ao ano, pediu US$ 16.951 para suas despesas, o que, segundo as autoridades, é permitido porque a "residência oficial" do governador fica em Juneau, a capital do Estado, situada a 960 quilômetros de Wasilla - onde Sarah mora com a família. Ou seja, a governadora recebia diária para dormir em casa como se estivesse em viagem oficial.As filhas e o marido da governadora gastaram US$ 43.490 de verbas públicas em viagens, muitas vezes de sua casa em Wasilla a Juneau e vice-versa.A popular governadora mudou-se com a família para a capital durante a sessão legislativa do ano passado, mas prefere morar em Wasilla e dirigir 72 km até Anchorage, onde há um edifício do Estado no qual trabalha a maior parte do tempo, informaram assessores.Sarah preencheu formulários de hospedagem com a referência a "residência própria" ou "residência em Wasilla" mais de 30 vezes, enquanto ficava com as diárias. Em mais de 20 fichas sem data, a governadora apagou a referência ao fato de ter ficado em sua casa e continuou recebendo os pagamentos.A porta-voz da governadora, Sharon Leighow, disse na segunda-feira que segundo as regras do Alasca, a governadora poderia ter cobrado diárias para cada filha que levou em viagens oficiais, mas não fez isso.Antes de ser nomeada pelo Partido Republicano, Sarah era pouco conhecida fora do Estado. Agora, com a campanha enfatizando sua experiência no Executivo, seus mandatos de prefeita de Wasilla, comissária do petróleo e gás e governadora estão sob intensa análise.Em seu discurso na Convenção Republicana, na semana passada, Sarah descreveu-se como uma lutadora na cruzada pela honestidade fiscal. Ela contou que vendeu um avião oficial usado pelo seu predecessor. "Aproveitei para eliminar algumas coisas relativas ao cargo porque achei que nossos cidadãos não deveriam pagar por isso", afirmou. A porta-voz disse que Sarah também demitiu o chef do palácio, porque prefere cozinhar para a família. Segundo o diretor de finanças do Estado, Kim Garnero, a legislação do Alasca isenta o gabinete do governador de elaboradas normas relativas a viagens. Leighow afirmou: "O governador tem direito a uma diária e Sarah a exige."Sarah recebeu também por trabalhar no dia 22 de novembro de 2007, o Dia de Ação de Graças. O motivo alegado: ela teve de comparecer ao torneio de basquete colegial que se realiza em Anchorage.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.