Sarah Palin visita Haiti com grupo de ajuda humanitária

País caribenho vive crise por crise política e epidemia de cólera

Agência Estado

12 de dezembro de 2010 | 09h47

Bom coração. Sarah diz que americanos 'são responsáveis por ajudar haitianos'.

 

PORTO PRÍNCIPE - A crise após a eleição no Haiti teve aprofundamento, neste domingo, 12, depois que os candidatos da oposição prolongaram a incerteza política ao se recusarem a participar da recontagem de votos. A política conservadora americana Sarah Palin visitou o Haiti com o grupo evangélico de ajuda humanitária Samaritan''s Purse.

 

A potencial candidata presidencial em 2012 confortou crianças vítima do cólera em uma clínica, no sábado, e visitou um abrigo de vítimas do terremoto que matou 250 mil pessoas em janeiro e deixou 1,5 milhão de desabrigados. "Eu realmente apreciei conhecer esta comunidade", disse Palin. "Eles são muito alegres. Nós somos tão afortunados na América e somos responsáveis por ajudar aqueles menos afortunados. Samaritan''s Purse ainda está aqui fazendo o trabalho duro".

 

Os mercados e bancos abriram para negócios pela primeira vez desde que os protestos eclodiram na terça-feira, quando os resultados foram anunciados. Os Estados Unidos manifestaram preocupação com os resultados "inconsistentes" da eleição, enquanto um senador pediu que os recursos de ajuda norte-americana fossem congelados e que os vistos de turismo fossem negados para oficiais haitianos, para forçar um resultado justo. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
HaitieleiçõesSarah Palin

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.