Sarcasmo de Putin em reunião do G8 revela tensão com EUA

O presidente russo, Vladimir Putin, chamou às críticas do vice-presidente americano, Dick Cheney, contra o seu país de um "tiro de caça errado", fazendo uma cáustica referência ao acidente que Cheney protagonizou quando alvejou um amigo por engano durante uma caçada. A declaração foi feita durante a reunião do G8, grupo que reúne as sete maiores economias do planeta e a Rússia.Respondendo às críticas de que a Rússia não merece sediar a reunião do grupo devido ao suposto recrudescimento autoritário do governo nos últimos seis anos, Putin insistiu que o clube de elite dos países ricos precisam dos russos devido às reservas energéticas e o poderio nuclear do país.O presidente russo comparou as críticas Ocidentais ao seu governo às manobras da Guerra Fria, e disse que as exigências por uma democracia maior na Rússia são similares aos pretextos utilizados pelas grandes potências na era colonial para conquistar mais territórios.Putin reservou suas palavras mais duras para Cheney, que atacou o Kremlin durante um discurso na ex-república soviética da Lituânia, em maio, acusando a Rússia de pressionar países vizinhos usando suas reservas energéticas como "ferramentas de intimidação e chantagem".O líder russo disse que os comentários do vice-presidente são motivados por razões políticas e pelo desejo de apoiar certas forças na Europa Oriental às custas da Rússia."Me incomoda que esta abordagem se baseie em uma filosofia de política externa do século XX, segundo a qual nossos parceiros sempre tentam atrasar a Rússia, vendo o país como um oponente político ou um inimigo", afirmou.Putin rebateu as críticas de Cheney dizendo que Moscou sempre cumpriu seus contratos de fornecimento de gás natural com outros países europeus. Democracia enfraquecidaEle acrescentou que é difícil construir a democracia rapidamente depois de séculos de regime czarista e comunista, mas acredita que a democracia russa poderia ser comparada favoravelmente a outras do Ocidente."Em seu país, o presidente não é eleito diretamente, mas por colégios eleitorais", disse ele referindo-se aos colégios eleitorais dos Estados Unidos. "Na Rússia, o presidente é eleito através do voto secreto de toda a população". Onde existe mais democracia na decisão da questão mais importantes sobre o poder?".Contudo, o líder do Kremlin sinalizou que a Rússia divide "objetivos em comum" com o Ocidente, principalmente com os Estados Unidos. Por isso, ele deixou claro que não pretende confrontar ou atrapalhar os esforços do grupo em relação a assuntos como Irã e Coréia do Norte.Texto atualizado às 18h49

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.