Guillaume Horcajuelo/Efe
Guillaume Horcajuelo/Efe

Sarkozy acusa socialistas de usar Kadafi para desviar do debate

Presidente é acusado de ter recebido 50 milhões de euros do ex-ditador líbio em 2007

Reuters,

29 de abril de 2012 | 13h15

PARIS - O presidente francês, Nicolas Sarkozy, rejeitou as acusações de que o ex-líder líbio Muammar Kadafi tentou financiar sua campanha eleitoral em 2007, qualificando essa denúncia como um complô de seus opositores socialistas para desviar a atenção da reaparição pública do ex-diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn.

Veja também:

link Documentos revelam que Kadafi teria financiado campanha de Sarkozy em 2007

Faltando apenas uma semana para o decisivo segundo turno da eleição presidencial, em 6 de maio, o website investigativo Mediapart informou ter descoberto um documento do serviço secreto de Kadafi, o qual mostra que o governo dele havia decidido financiar a campanha de Sarkozy à Presidência.

Sarkozy, que na época era ministro do Interior, vem negando repetidamente que recebeu dinheiro de Kadafi. O governo Sarkozy teve papel crucial na derrubada de Gaddafi, que foi capturado e morto por combatentes do Exército Nacional de Libertação Líbio, no ano passado.

Em entrevista a um jornal, o presidente francês afirmou que os socialistas estão usando o relatório do serviço secreto de Kadafi como uma tentativa de desviar a atenção do ressurgimento de Strauss-Kahn, que era o favorito para a indicação do partido à eleição presidencial antes de ter sido preso em maio por acusações de abuso sexual a uma camareira de um hotel de Nova York.

Em uma entrevista publicada no londrino Guardian de sexta-feira, 27, Strauss-Kahn teria dito que, embora não acredite que seu oponente tenha criado o encontro com a camareira Nafissatou Diallo, ele acha que pessoas ligadas a Sarkozy desempenharam um papel em garantir que ela fosse até a polícia, provocando um grande escândalo internacional.

"Veja que esta é uma tentativa de criar uma distração após o retorno à vida pública de Strauss-Kahn", disse Sarkozy ao Le Parisien-Dimanche. "Eles não querem que ninguém se lembre que queriam transformá-lo no próximo presidente da república francesa."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.