Sarkozy anuncia plano de US$ 2,47 bi para a agricultura francesa

'Plano sem precedentes' consiste em 650 milhões de euros para setor e concederá 1 bilhão de euros em empréstimos.

Daniela Fernandes, BBC

27 de outubro de 2009 | 14h15

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, anunciou nesta terça-feira um "plano de emergência sem precedentes" de 1,65 bilhão de euros (cerca de US$ 2,47 bilhões) para o setor agrícola do país, que deve registrar uma diminuição de 10% a 20% da receita em razão da queda das cotações de commodities nos mercados.

Segundo Sarkozy, que anunciou a medida em um discurso intitulado "Um novo futuro para nossa agricultura", o governo dará, a título de "ajuda excepcional do Estado", 650 milhões de euros para o setor e concederá 1 bilhão de euros em empréstimos, a taxas de juros vantajosas, de apenas 1% a 1,5% ao ano.

"Eu não os abandonarei. O combate pela agricultura francesa é algo estratégico. Nós só temos uma saída: ganhá-lo", afirmou Sarkozy em discurso a agricultores na cidade de Poligny, no leste do país.

Iniciativas de países ricos como as anunciadas pelo governo francês, de ajuda direta e subsídios ao setor agrícola, são fortemente criticadas pelo governo brasileiro em negociações para a liberalização do comércio mundial.

"Eu não aceito que a agricultura francesa seja dominada pela crise. Não vim anunciar, como outros, um plano de subvenções contrário às regras europeias. Vim propor um plano sem precedentes de ajuda a nossa agricultura", disse o presidente francês.

Distorção de preços

A ajuda de 650 milhões de euros não é um apoio direto à produção agrícola francesa, o que poderia ser imediatamente rejeitado pela Comissão Europeia por distorcer os preços dos produtos.

No entanto, o montante, que se refere em boa parte a reduções ou isenções fiscais por um determinado período, é caracterizado, mesmo assim, como um subsídio aos agricultores, ainda que não ligado diretamente à produção agrícola.

Em agosto passado, a Comissão Europeia exigiu que a França reembolsasse 500 milhões de euros por ter concedido subsídios indevidos aos produtores de frutas e legumes durante dez anos. A ajuda havia sido dada durante o período em razão da conjuntura econômica e de problemas climáticos.

O presidente francês afirmou que as medidas anunciadas nesta terça-feira permitem aos agricultores franceses "lutar com armas iguais contra seus concorrentes".

Sarkozy declarou que o plano será "totalmente aplicado" até o final deste ano.

Pedido de ajuda

A principal federação agrícola da França, a FNSEA, reivindicava ações concretas do governo para lutar contra a crise e havia pedido uma ajuda de 2 bilhões de euros.

Os agricultores solicitavam planos de ajuda semelhantes aos anunciados para os setores financeiro, automotivo e para pequenas e médias empresas.

Nas últimas semanas, produtores de leite fizeram inúmeros protestos em toda a França despejando milhões de litros do produto em ruas e campos de todo o país, alegando ter prejuízos com a venda.

Sarkozy anunciou que para lidar com a crise do setor agrícola francês, ele aplicará um plano com três iniciativas. Elas preveem um financiamento "ambicioso" e uma nova "regulação da agricultura e do setor agroalimentar na Europa e no mundo".

A terceira delas, segundo Sarkozy, é "dar continuidade à modernização da agricultura francesa para preparar a Política Agrícola Comum de 2013". BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
françasarkozyplanoemergência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.