Sarkozy anuncia plano trabalhista; sindicatos protestam

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, anunciou nesta quarta-feira um pacote de ? 430 milhões (US$ 550 milhões) para reduzir o desemprego no país, uma medida criticada como oportunismo eleitoral pela oposição, uma vez que foi tomada apenas três meses antes das eleições presidenciais. Com a taxa de desemprego alcançando 10% da força de trabalho e o recente rebaixamento da nota de crédito da França pela agência de classificação de risco Standard & Poor''s, o candidato socialista François Hollande desfere duras críticas a Sarkozy, ao dizer que a crise financeira reflete a estratégia econômica fracassada do mandatário. Nesta quarta-feira, os marítimos franceses fizeram uma paralisação de advertência, suspendendo a linha de barcos entre Marselha e a Córsega. Segundo informações da imprensa francesa, também ocorreram manifestações em Paris e outras cidades contra uma reunião de Sarkozy, os empresários e os sindicalistas. As manifestações tiveram na mira justamente os planos de Sarkozy.

AE, Agência Estado

18 de janeiro de 2012 | 17h31

Segundo informações do jornal Le Monde, um protesto organizado pela central sindical Confederação Geral do Trabalho (CGT) reuniu sete mil pessoas na praça Saint-Augustin. A polícia disse que o número de manifestantes foi menor, de 1,7 mil pessoas. Também ocorreram protestos de vulto em Lyon e Bordeaux, segundo o Le Monde.

Sarkozy, que está em segundo lugar e atrás de Hollande nas pesquisas de intenção de voto, rebate as críticas ao dizer que a crise é europeia e não apenas francesa. Mas ao anunciar hoje o pacote contra o desemprego, disse que os franceses que sofrem com o problema precisam de socorro imediato. Para essa finalidade, ele se reuniu mais cedo com empresários e sindicalistas para montar o pacote. Ainda não está claro se ele conseguirá lançar o plano antes das eleições, que terá primeiro turno em abril e segundo turno em maio.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.