Francois Mori/Efe
Francois Mori/Efe

Sarkozy chega ao lugar onde suspeito de assassinatos está cercado

Suspeito das mortes era investigado há anos, declarou o ministro do Interior, Claude Guéant

BBC,

21 de março de 2012 | 10h31

Texto atualizado às 10h51.

 

TOULOUSE - O presidente francês Nicolas Sarkozy acaba de chegar ao quartel de Pérignon de Toulouse, próximo ao edifício onde está o suspeito dos assassinato na escola judaica da cidade. O líder deve se reunir com os policiais que trabalham no caso e também com líderes religiosos.

 

Veja também:

linkTragédia altera cenário da campanha presidencial

linkREPERCUSSÃO: Líderes condenam atentado

 

Em pronunciamento na manhã desta quarta-feira, 21, o presidente disse que o assassinato de quatro pessoas em frente a uma escola judaica em Toulouse, na segunda-feira, não deve ser usado para atos de vingança ou discriminação. 

 

Segundo o presidente, atos de terror não conseguirão dividir a França, que abriga as maiores comunidades judaica e muçulmana da Europa. "O terrorismo não conseguirá fraturar nossa comunidade nacional", afirmou. "Eu digo a toda a nação que precisamos ficar unidos", disse ele, antes de se encontrar com líderes das duas comunidades em Paris.

 

Sarkozy fez seu pronunciamento em meio ao cerco policial a um edifício em Toulouse no qual se acredita estar o suspeito pelos ataques de segunda-feira e por outros dois na semana passada que deixaram três soldados mortos.

 

Investigação

 

O francês de origem argelina Mohamed Merah, de 24 anos, suspeito das mortes, estava sendo investigado havia vários anos pelos serviços secretos da França, declarou nesta quarta-feira o ministro do Interior, Claude Guéant.

 

"O homem estava sob investigação da direção central dos serviços de inteligência há bastante tempo por seu engajamento e radicalização salafista", disse o ministro.

 

Os salafistas são considerados fundamentalistas, que aplicam a sharia - a lei islâmica - de maneira radical. Eles defendem o retorno do islã às suas origens, baseado na aplicação rigorosa do Corão.

 

Com agências de notícias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.