Sarkozy disse para Netanyahu demitir chanceler, diz AP

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, recomendou ao primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, que demitisse seu chanceler, o ultranacionalista Avigdor Lieberman, e colocasse no cargo alguém de posições menos radicais, disseram hoje fontes no governo israelense à Associated Press. Sarkozy, segundo as fontes, teria dito a Netanyahu: "Você precisa se livrar desse homem". A seguir, ele teria sugerido que Lieberman fosse substituído por alguém mais moderado, como a ex-chanceler Tzipi Livni. Sarkozy teria feito a sugestão durante um encontro recente com Netanyahu em Paris, prosseguiram as fontes.

AE-AP, Agencia Estado

30 de junho de 2009 | 11h36

Lieberman ordenou a seus assessores que não respondam em público para evitar tensão diplomática, disse uma das fontes. Netanyahu teria dito a Sarkozy que em conversas particulares Liberman "soa diferente" de quando faz discursos políticos. O presidente francês respondeu então que Jean-Marie Le Pen, líder da extrema direita francesa, "também é um homem agradável" em conversas privadas.

Tzahi Moshe, porta-voz de Lieberman, disse que os comentários de Sarkozy, "se verdadeiros, representam uma intolerável" interferência em assuntos internos de Israel. Nir Hefetz, porta-voz de Netanyahu, disse à "Rádio do Exército" de Israel que "o primeiro-ministro não acha que seu governo precise de orientação externa", mas não confirmou nem negou o teor da conversa. A assessoria de imprensa de Sarkozy informou que não comentaria pelo momento as conversas entre o presidente e Netanyahu ocorridas na semana passada na capital francesa, embora não seja raro para um líder francês conversar sobre assuntos internos de outros países em reuniões com líderes estrangeiros.

A escolha de Liberman para o posto de ministro das Relações Exteriores de Israel foi recebida com insatisfação pela comunidade internacional por causa de sua postura contrária ao processo de paz e a posições amplamente vistas como racistas com relação aos árabes e aos palestinos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.