Patrick Hertzog/Pool/Reuters
Patrick Hertzog/Pool/Reuters

Sarkozy é detido na França sob suspeita de financiamento ilegal de campanha eleitoral

Principal acusação é de que parte do dinheiro teria vindo do governo do ex-ditador líbio Muamar Kadafi; ex-presidente está sendo mantido em um local de controle da Polícia Judiciária para ser ouvido e pode ficar detido durante 48 horas

Jamil Chade, Correspondente / Genebra, O Estado de S.Paulo

20 Março 2018 | 05h25
Atualizado 20 Março 2018 | 16h16

GENEBRA - Nicolas Sarkozy, ex-presidente da França, foi detido na manhã desta terça-feira, 20, sob suspeita de financiamento ilegal de sua campanha eleitoral de 2007. 

Sarkozy será julgado por financiamento irregular de campanha

A principal acusação é de que parte do dinheiro teria vindo do governo de Muamar Kadafi, ex-ditador da Líbia. A investigação começou em 2013 e envolve dinheiro em espécie que teria sido entregue aos organizadores da campanha. 

Seu depoimento foi colhido às 8 horas da manhã (4 horas de Brasília). Até o final da tarde, ele continuava sob detenção na localidade de Nanterre. Depois das 48 horas, ele pode ser levado diante de juízes para ser eventualmente acusado ou simplesmente liberado. A investigação se refere a corrupção ativa e passiva, tráfico de influência, abuso de bens sociais e lavagem de dinheiro. 

Ex-presidente Sarkozy votará em Macron para evitar triunfo de Le Pen

Esta é a primeira vez que os investigadores interrogam Sarkozy. Em 2007, ele venceu a eleição, superando a socialista Ségolène Royal. Mas a suspeita também é de que o dinheiro poderia ter servido para o enriquecimento ilícito do ex-presidente e de aliados.

Há dois anos, o suposto intermediário Ziad Takieddine declarou que foi ele quem levou o dinheiro de Trípoli a Paris, entregando-o a Claude Guéant, então ministro do Interior do governo Sarkozy. Segundo ele, o dinheiro chegou até o ex-mandatário, que sempre negou qualquer envolvimento no caso.

O intermediário foi indiciado por cumplicidade em um esquema de corrupção e por ter desviado recursos públicos. Mas, segundo o jornal Le Monde, a informação reforça o que o ex-diretor de inteligência do governo líbio, Abdallah Senoussi, disse sobre a participação de Kadafi na eleição de Sarkozy. 

Os pagamentos também aparecem em um caderno mantido pelo ex-ministro do Petróleo da Libia Choukri Ghanem. Ele morreu em 2012 em circunstâncias até hoje não esclarecidas.

Votação revela ampla rejeição a Sarkozy

Segundo o jornal francês, a decisão de levar Sarkozy para ser interrogado foi tomada depois que vários ex-membros do governo de Kadafi, presos, apontaram para a mesma direção no que se refere ao financiamento ilegal de campanha.

A Justiça francesa ainda obteve no início do ano documentos que haviam sido confiscados na Suíça, na residência de Alexandre Djouhri, outro intermediário líbio detido no Reino Unido e empresário próximo do ex-presidente. 

Preso no dia 7 de janeiro, ele pagou uma fiança de € 1,1 milhão para aguardar seu processo em liberdade. Mas voltou a ser detido em fevereiro e, por conta de problemas de saúde, está em um hospital de Londres. 

Um relatório chegou a ser passado pelo Escritório Central de Luta contra a Corrupção para a Justiça, detalhando como o dinheiro ilegal circulava e financiava a campanha eleitoral de Sarkozy.

Cenário: Veremos o retorno do catolicismo político na França?

Há ainda a suspeita de que Claude Guéant, ex-ministro de Sarkozy, teria comprado um apartamento de luxo na capital francesa graças aos recursos líbios. Ele já foi indiciado por lavagem de dinheiro. Um dos indícios se refere a uma transferência de € 500 mil em março de 2008, vindo de uma sociedade na Malásia. Guéant, porém, insiste que o dinheiro se refere à venda de quadros. 

Também nesta terça-feira, o ex-ministro de Sarkozy, Brice Hortefeux, foi levado para depor, mas na condição de testemunha. 

Reações

O assunto dominou durante todo o dia o debate político na França e na Europa. Guéant garantiu que "jamais viu circular dinheiro" na campanha de 2007. "Jamais vi um centavo de financiamento líbio", disse o ex-ministro para a France Info.

O partido do ex-presidente, Les Républicains, declarou seu "pleno apoio" a Sarkozy. Eles denunciam um "tratamento diferenciado" da Justiça em relação ao seu ex-líder. Para o chefe do partido no Parlamento, Christian Jacob, a detenção é "incompreensível". Ele denunciou a "fúria da Justiça" contra seu aliado. 

O senador Ladislas Poniatowski também acusou o presidente Emmanuel Macron de "complô" e de "lançar a máquina do judiciário conta Sarkozy" por conta da "baixa popularidade" que o governo registra. 

O primeiro-ministro, Edouard Philippe, evitou fazer comentários, mas admitiu que antes de deixar o partido de Sarkozy, manteve uma relação "difícil" com o ex-presidente. Já o ministro da Agricultura, Stéphane Travert, disse que "a Justiça é livre na França".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.