Sarkozy e Merkel pedem solução rápida para Gaza

Os líderes da França e da Alemanha pediram hoje uma ação rápida para interromper a violência na Faixa de Gaza. O presidente francês, Nicolas Sarkozy, disse que qualquer tempo perdido seria usado em favor dos que querem a guerra. Ele afirmou que os dois poderes europeus estão prontos para realizar uma iniciativa conjunta para levar a paz à região, após 13 dias de confrontos entre Israel e o grupo militante palestino Hamas. "Nossa análise é estritamente idêntica", declarou o francês, durante entrevista coletiva ao lado da chanceler alemã, Angela Merkel. "As armas devem silenciar. A escalada deve parar. Israel deve obter garantias de segurança para deixar Gaza."Merkel demonstrou apoio à proposta de cessar-fogo de Egito e França, após Sarkozy realizar uma viagem pelo Oriente Médio para negociar o tema. "Nós devemos fazer tudo que podemos para que esse cessar-fogo ocorra o mais rápido possível", disse. Os dois líderes falaram após se encontrarem com o enviado para o Oriente Médio Tony Blair, que representa o chamado Quarteto - Estados Unidos, Rússia, Organização das Nações Unidas (ONU) e União Europeia.Enviados israelenses chegaram hoje ao Cairo para negociações de um cessar-fogo promovidas pelo Egito. Funcionários egípcios afirmam que representantes de Israel, da Autoridade Palestina e do Hamas - que controla Gaza - concordaram em se encontrar separadamente com funcionários egípcios. A proposta egípcia incluiria a reabertura das passagens fronteiriças de Gaza com Israel e o Egito, um esforço de reconstrução da Faixa de Gaza, trocas de prisioneiros e a retomadas das negociações de paz.Blair Mais cedo, Tony Blair afirmou que qualquer acordo deve incluir um cessar-fogo entre Israel e o Hamas, o fechamento dos túneis entre Gaza e o Egito na fronteira, usados para contrabando, e a reabertura das passagens fronteiriças. "Eu acredito que é possível chegar a um acordo", afirmou o ex-primeiro-ministro britânico à rádio francesa Europe-1. "Se nós podemos alcançar uma trégua, é uma solução de curto prazo. Mas para o longo prazo, é absolutamente necessário ter um processo de paz negociado entre israelenses e palestinos." FoguetesUm porta-voz da Frente Popular para a Libertação da Palestina nem confirmou nem negou o envolvimento do grupo no lançamento de foguetes hoje no território de Israel. Anwar Raja porém condenou a ofensiva de Israel em Gaza e também a "inação" dos Estados árabes. "Essa guerra abre todas as possibilidades, na ausência de um desejo político da comunidade internacional para dissuadir Israel de realizar seu holocausto em Gaza", afirmou Raja em Damasco, a capital síria. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.