Pablo Martinez Monsivais/AP
Pablo Martinez Monsivais/AP

Sarkozy faz proposta alternativa para superar impasse na ONU

Presidente francês sugere que palestinos ganhem status de Estado não membro, como o Vaticano

ANDREI NETTO, CORRESPONDENTE / PARIS, O Estado de S.Paulo

22 Setembro 2011 | 03h03

A França propôs ontem uma alternativa para o impasse sobre o status dos palestinos na ONU. Na Assembleia-Geral, o presidente Nicolas Sarkozy sugeriu a adesão do território como Estado não membro - o mesmo do Vaticano. A proposta foi vista com simpatia pelo presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, que prometeu estudar "seriamente" o caso. Na prática, a mudança significa dar aos palestinos, entre outras coisas, o direito de ocupar vagas em órgãos da ONU e de levar casos a tribunais internacionais.

 

Veja também:

lista Leia a íntegra da fala de Dilma

forum ENQUETE: Você concorda?

blog AO VIVO: Os discursos na AG

tabela HOTSITE: A busca pelo Estado

blog GUSTAVO CHACRA: O Estado palestino

lista ENTENDA: O que os palestinos buscam na ONU
especialESPECIAL: As disputas territoriais no Oriente Médio

Na ONU, Sarkozy alfinetou os EUA ao dizer que "é hora de mudar a fórmula de se negociar a paz". "Um só país, por maior que seja, não pode resolver um problema tão complexo", disse. A solução proposta por ele vinha sendo cogitada pelos palestinos. Para ganhar status de Estado não membro, eles precisariam de dois terços dos 193 votos da Assembleia-Geral, evitando o veto americano.

O discurso de Sarkozy durou cerca de dez minutos e foi quase totalmente dedicado à questão palestina e à primavera árabe. "Os métodos usados até agora fracassaram. Passaram-se 60 anos sem nenhum centímetro de avanço. Hoje temos alternativas: o imobilismo ou uma solução intermediária, que permita dar esperança aos palestinos."

Sarkozy propôs ainda um calendário para as negociações, que seriam retomadas em um mês. Segundo ele, um acordo sobre fronteiras seria estabelecido em seis meses e um pacto final em um ano. O presidente sugeriu ainda uma conferência de países doadores em Paris em três meses para planejar a construção do Estado palestino.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.