Sarkozy pede intervenção externa na crise síria

Afastado da presidência da França desde maio, quando perdeu a eleição para François Hollande, o ex-presidente Nicolas Sarkozy pediu ontem uma intervenção enérgica da comunidade internacional na crise política da Síria. Depois de se reunir por 45 minutos com o presidente do Conselho Nacional da Síria (CNS), Abdel Basset Sayda, para discutir a revolta popular contra Bashar Assad, ele afirmou que a situação do país é "muito similar" à da Líbia. Na revolta contra Muamar Kadafi, Sarkozy foi um dos líderes da intervenção armada internacional. Segundo o jornal Le Parisien, nos bastidores, O ex-presidente foi além e criticou Hollande. "Recebi críticas sobre a Líbia, mas pelo menos agi." O chanceler francês, Laurent Fabius, respondeu as declarações de Sarkozy e ironizou o ex-presidente por ter recebido Assad em Paris com honras de chefe de Estado em 2008. "A única lembrança que tenho de uma ação de Nicolas Sarkozy com Bashar Assad foi convidá-lo a presidir as cerimônias de 14 de Julho", disse Fabius. / ANDREI NETTO

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.