Eric Gailard/Reuters
Eric Gailard/Reuters

Sarkozy perde fôlego em primárias da direita

Ex-presidente vê diferença para o maior rival diminuir ao apresentar propostas mais alinhadas com aextrema direita

Andrei Netto, correspondente / Paris, O Estado de S. Paulo

12 de outubro de 2016 | 21h19

A pré-candidatura de Nicolas Sarkozy à presidência da França começa a enfrentar dificuldades diante do ex-primeiro-ministro Alain Juppé, seu maior rival no Partido Republicano (LR). Pesquisas de opinião mostram que o atual prefeito de Bordeaux vem aumentando sua vantagem em relação ao ex-chefe de Estado, principalmente após novas revelações sobre o escândalo de financiamento clandestino de campanhas eleitorais por parte de Sarkozy – que foi denunciado pelo Ministério Público. 

As adesões a Juppé se multiplicam entre líderes políticos, resultando em um isolamento crescente do ex-presidente. 

Ontem, dois partidos centristas, a União dos Democratas e Independentes (UDI) e o Partido Radical (PR), anunciaram a adesão à candidatura de Juppé na véspera do primeiro debate das prévias, que ocorrerá hoje e reunirá os sete pré-candidatos da legenda. A UDI soma 18 deputados e 27 senadores no Parlamento e tem uma das bancadas mais importantes após as dos dois grandes partidos do país – Republicanos e Socialistas (PS). 

Antes, o Movimento Democrático (MoDem), também centrista, havia indicado o apoio ao rival de Sarkozy. Partidos vêm aderindo à campanha de Juppé em razão das posições cada vez mais radicais de Sarkozy, que tem anunciado propostas próximas da extrema direita. Ontem o instituto de pesquisas Kantar Sofres mostrou que Juppé supera Sarkozy no primeiro turno das primárias – ele teria 42% e o ex-presidente, 28%. No segundo turno, Juppé deve vencer com folga, 62% a 38%.

As prévias “da direita e do centro” são abertas a eleitores de todos os partidos que desejem ajudar a escolher o candidato do Partido Republicano. Nessa lógica, Juppé conta com um reforço inesperado: cerca de 10% de seus eleitores nas primárias são simpatizantes do Partido Socialista. 

 

Mais conteúdo sobre:
FrançaNicolas Sarkozy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.