Lionel Bonaventure/Efe
Lionel Bonaventure/Efe

Sarkozy promete deixar a política se perder eleições francesas

Em entrevista a emissoras, presidente disse apenas que 'fará outra coisa' se não se reeleger

Efe

08 Março 2012 | 08h02

PARIS - O presidente da França, Nicolas Sarkozy, assinalou nesta quinta-feira, 8, que abandonará a política se perder as eleições presidenciais, marcadas para acontecerem em 22 de abril - e 6 de maio, se for necessário um segundo turno.

 

Em entrevista concedida às emissoras RMC e BFM TV, o candidato conservador não esclareceu a que se dedicaria, mas foi taxativo ao dizer que deixaria a política em caso de derrota. "Sim, farei outra coisa. O quê, eu não sei", respondeu o atual presidente, que, segundo as pesquisas de intenção de voto, será derrotado por seu rival socialista, François Hollande.

 

Por outro lado, Sarkozy indicou - coincidindo com o Dia Internacional da Mulher - que, se vencer as eleições, criará uma agência pública para a cobrança das pensões alimentícias destinadas a mulheres separadas. "Há tantas pensões alimentícias que não são pagas", comentou o presidente. Outra de suas propostas é o lançamento de uma carteira sanitária com informações biométricas para lutar contra a fraude.

 

De acordo com as pesquisas mais recentes, Hollande aparece com 30% das intenções de voto para o primeiro turno. Sarkozy está com 28% e a ultradireitista Marine Le Pen tem 14%, enquanto ultraesquerdista Jean-Luc Melenchon tem 10%. Numa simulação para o segundo turno Hollande vence Sarkozy por 56% a 44%.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.