Sarkozy qualifica sírio de 'assassino'

O governo da França endureceu ontem o discurso contra a repressão ao movimento oposicionista na Síria. Interrompendo sua campanha à reeleição, o presidente Nicolas Sarkozy pediu a abertura de corredores humanitários para socorrer os ativistas feridos e afirmou que o ditador do país, Bashar Assad, é um "assassino". Segundo Sarkozy, Assad deve ser levado ao Tribunal Penal Internacional para ser julgado por crimes contra a humanidade. / ANDREI NETTO, DE PARIS

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.