Sarkozy se reúne com papa após expulsão de ciganos

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, se reuniu hoje com o papa Bento XVI. A audiência foi considerada uma tentativa de melhorar as relações com os católicos após controversas medidas contra os ciganos tomadas pelo governo. A administração Sarkozy expulsou centenas de ciganos que viviam em bairros pobres do país. O governo local expulsou mais de mil deles nos últimos meses, enviando-os para Romênia e Bulgária, seus países de origem.

AE-AP, Agência Estado

08 de outubro de 2010 | 14h16

As medidas foram criticadas pelos católicos. O próprio Bento XVI aparentemente se referiu ao tema, indiretamente, com uma mensagem sobre tolerância há alguns meses. Ao se dirigir a fiéis que se reuniram em sua residência de verão em 22 de agosto, o papa pediu aos fiéis que aceitem a "legítima diversidade humana". Ele pediu aos pais que eduquem seus filhos "na irmandade universal", em uma mensagem interpretada por muitos como dirigida à França.

Sarkozy se atrasou cerca de 15 minutos para a reunião e chegou sério ao encontro. Após meia hora, parecia mais relaxado ao presentear o papa com uma coleção de livros. Em troca, recebeu uma peça de cerâmica e uma gravura da Basílica de San Pedro. O jornal Le Parisien afirmou que a visita era uma tentativa de reparar a imagem de Sarkozy ante os católicos franceses.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.