Sars faz China trocar aperto de mão por reverência

Uma província chinesa buscou na tradição uma forma de evitar a proliferação da Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars): ao invés de cumprimentar apertando as mãos, como os ocidentais, o governo recomenda aos cidadãos a antiga reverência oriental, na qual os interlocutores se curvam.A nova instrução começou a vigorar nesta semana para autoridades e membros do Partido Comunista da província de Hebei. A informação é de um representante do escritório de propaganda da província. "Isso é mais uma sugestão do que uma ordem, mas queremos fazer de tudo para barrar a proliferação da doença", disse ele em uma entrevista feita pelo telefone. O funcionário pediu para não ter seu nome revelado.A populosa Hebei, próxima de Pequim, relatou 146 casos de Sars e seis mortes. Um grupo da Organização Mundial da Saúde (OMS) está lá para investigar o que poderia ser um caso recente de explosão no número de doentes. Essa possível proliferação demonstraria uma tendência da infecção, de passar das grandes cidades para o interior pobre do país.A volta da reverência tradicional é uma grande mudança de costume em relação ao que pregou a revolução comunista, que via nela uma forma indesejada de cumprimento, uma reminiscência da China imperial do passado.A agência de notícias Xinhua News chegou até a descrever a forma como deveria ser feita a reverência. "um leve reverência com a mão na altura da cabeça." "As pessoas devem evitar posições desafeiçoadas ou exageradas, mas devem ter uma certa dimensão (da reverência) em certas circunstâncias", recomenda o texto.Veja o índice de notícias sobre a pneumonia atípica

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.