Satélite acha mais 300 objetos no Índico que podem ser de avião malaio

Novamente o mau tempo prejudica os trabalhos de resgate no meio do oceano

O Estado de S. Paulo,

27 de março de 2014 | 07h45

 

BANGCOC - Um satélite da Tailândia localizou nesta quinta-feira, 27,  cerca de 300 objetos flutuando ao sul do Oceano Índico, próximo à área onde foram encontrados os primeiros possíveis destroços do avião desaparecido da Malaysia Airlines. Aviões e navios de busca fizeram novas buscas na região de Perth, na Austrália, mas novamente o mau tempo prejudicou os trabalhos.

Segundo as imagens, que foram capturadas no dia 24 de março, os itens encontrados no mar tinham diferentes tamanhos e estavam a cerca de 2,7 mil quilômetros ao sudoeste de Perth. O diretor de desenvolvimento de tecnologia espacial da Tailândia, Anond Snidvongs, disse que as imagens já foram transmitidas às autoridades da Malásia.

Ontem, foi anunciado que um satélite francês encontrou 122 objetos, que variavam entre dois e 16 metros de comprimento. Esses novos possíveis destroços foram localizados a cerca de 200 quilômetros desta área.

Mesmo com a forte chuva, ventos e nebulosidade no sul da Austrália, cinco navios continuam as buscas no mar. Aviões e helicópteros foram recolhidos para as bases. Um navio da Marinha dos EUA e duas aeronaves do Japão conseguiram chegar na região apontada pelos satélites, mas não localizaram os objetos. As buscas por esses dois lotes de objetos identificados está suspensa até que as condições climáticas melhorem na localidade.

Pressão.  O governo da China está fazendo seu melhor para pressionar a Malásia a coordenar os esforços de busca por um avião malaio desaparecido, disse a agência de notícias estatal chinesa Xinhua, citando o enviado especial Zhang Yesui.

Zhang disse que a China também vai continuar a intensificar seus esforços de busca pela aeronave, que desapareceu em 8 de março enquanto fazia a rota de Kuala Lumpur a Pequim. / AP e  REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
voo MH370Malaysia Airlines

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.