Satélites mostram abusos cometidos pelo Exército em Mianmá

Imagens revelam deslocamentos forçados e incêndios em vilarejos; violações foram cometidos antes de protestos

Maggie Fox, da Reuters,

28 de setembro de 2007 | 18h52

Fotografias tiradas por satélite confirmam as informações sobre vilarejos incendiados, deslocamentos forçados e outras violações dos direitos humanos em Mianmá, anunciaram cientistas americanos nesta sexta-feira, 28. Os abusos vinham sendo cometidos desde antes do início dos protestos das últimas semanas no país asiático.   Veja também: Número de mortos pode chegar a 200 ONU convoca sessão emergencial para Mianmá Jornalista japonês é morto por policiais Entenda a crise e o protesto dos monges  Dissidentes cibernéticos driblam censura  População apóia protesto dos monges Feridos temem prisão em hospitais, diz ONG Chefe da Junta Militar comanda repressão   A Associação Americana pelo Avanço da Ciência informou que fotos em alta resolução feitas por satélites comerciais documentam o aumento da presença militar em 25 pontos no leste de Mianmá, o que é compatível com os relatos de testemunhas.   "Encontramos evidências sobre 18 vilarejos que praticamente desapareceram", disse Lars Bromley, da associação, numa entrevista. "Recebemos informações no fim de abril de que um grupo de vilarejos no Estado de Karen tinha sido incendiado. Conseguimos identificar marcas dos incêndios no chão - quadradas, do tamanho de casas."   Mianmá (antiga Birmânia) passa pela pior onda de protestos desde uma revolta em 1988, que matou 3.000 pessoas. As manifestações são contra o governo militar, que domina o país há mais de quatro décadas. Segundo informações de grupos dissidentes, pelo menos 200 pessoas já teriam sido mortas até esta sexta-feira na repressão aos protestos. O governo, no entanto, fala em apenas 10 baixas.   O grupo de Bromley obteve financiamento do Instituto Sociedade Aberta e da Fundação Catherine T. MacArthur para alugar o sobrevôo do satélite e comprar as imagens arquivadas.   Além dos vilarejos dizimados, a equipe também encontrou provas de "realocação forçada - em que um grupo de pessoas é levado para áreas mais remotas e obrigada a construir casas em locais sob o controle do governo militar", disse Bromley.   "Em uma área perto de um acampamento militar que observamos, havia cerca de 31 vilarejos que surgiram do nada no espaço de cerca de cinco anos e meio. Ou é um incrível baby boom ou algum tipo de programa específico, ou, como não temos informações sobre esses fatos, a realocação forçada é uma candidata lógica", disse ele.

Tudo o que sabemos sobre:
Mianmádireitos humanos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.