Saúde de chefe norte-coreano não impede atividade, diz Seul

Espionagem sul-coreana afirma que Kim Jong-il, de 65 anos, não está debilitado

Agencia Estado

15 Junho 2007 | 02h48

A espionagem sul-coreana acredita que a saúde do líder norte-coreano, Kim Jong-il, não piorou a ponto de impedir sua atividade, mas talvez poderia ter complicado devido a sua idade, informou nesta segunda-feira, 11, a agência sul-coreana Yonhap. "Não há provas de que a doença (de Kim Jong-il) tenha piorado para que não possa se movimentar bem", disseram fontes da espionagem citadas pela agência. Kim Jong-il, de 65 anos, é diabético e tem problemas cardíacos. Nos últimos dias, vários veículos de comunicação estrangeiros especularam sobre a gravidade do estado de Kim, depois de o líder norte-coreano ter ficado ausente ao público durante o último mês, e alguns disseram que ele tem problemas para se deslocar. No entanto, segundo fontes do Serviço Nacional de Inteligência sul-coreano destacaram nesta segunda, Kim já ficou sem aparecer em público durante bastante tempo quando seu pai, Kim Il-sung, morreu, em 1994. Recentemente, a imprensa japonesa afirmou que o líder norte-coreano fez uma operação cardíaca em maio passado nas mãos de médicos alemães, que teriam chegado com urgência a Pyongyang. No entanto, as fontes da espionagem sul-coreana citadas pela Yonhap afirmaram que não há provas de que Kim Jong-il tenha feito uma cirurgia, e lembrou que sua última aparição pública foi no início deste mês. Sucessão Segundo as fontes, também não há indícios de que tenha se acelerado a luta pelo poder entre os três filhos de Kim. Segundo disse na última semana a agência local Yonhap, Kim está decidindo seu sucessor entre seu segundo e terceiro filho, Kim Jong-chul, de 26 anos, e Kim Jong-um, de 23 anos, nascidos de seu terceiro casamento, com Ko Young-hee, morta em maio de 2004. Na luta pelo poder entraria ainda o primogênito, Kim Jong-nam, de 36 anos, nascido do primeiro casamento de Kim, com a atriz Song Hye-rim, falecida em 2002. Segundo analistas sul-coreanos, Kim Jong-nam possui uma mentalidade aberta com ideais reformistas e tem boa relação com as autoridades chinesas. Em novembro de 2004, quando estava na Áustria, Kim Jong-nam sofreu um atentado que foi atribuído aos poderes próximos a seus irmãos, segundo a agência Yonhap. Alguns analistas descrevem uma luta entre os três filhos e a atual mulher do líder norte-coreano, Kim Yok, de 43 anos, que parece ter uma grande influência nas decisões políticas de Kim Jong-il. Matéria ampliada às 12h03 para acréscimo de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.