Saúde mental de Moussaoui é questionada

O comportamento de Zacarias Moussaoui é anormal até mesmo para os padrões de um "terrorista" da rede extremista Al-Qaeda, comparou nesta terça-feira um psicólogo entrevistado pelos advogados de defesa durante o julgamento do franco-marroquino, acusado de conspirar ao lado dos executores dos atentados de 11 de setembro contra os Estados Unidos. Xavier Amador analisou o comportamento e a caligrafia de Moussaoui a partir de 2002 e chegou à conclusão de que ele sofre de esquizofrenia. O psicólogo mencionou crenças ilusórias mantidas por Moussaoui, entre elas a convicção de que o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, o libertará da prisão e que os advogados indicados para defendê-lo participam de uma conspiração para assassiná-lo. Ele também comparou o comportamento errático de Moussaoui ao de outros membros da Al-Qaeda levados à Justiça nos EUA. Em todos os outros casos - inclusive o de Ramzi Yousef, condenado à prisão perpétua pelo ataque de 1993 ao World Trade Center -, os advogados disseram que seus clientes cooperaram com a defesa e não pensavam que seus defensores agiam contra eles. "O que podemos ver nesse indivíduo pertence somente a ele", comentou Amador. "Ele não segue o padrão da Al-Qaeda", prosseguiu. Numa acareação, o promotor David Novak tentou sugerir que o comportamento de Moussaoui segue o padrão da Al-Qaeda. Segundo ele, Yousef também realizou sua defesa durante boa parte do processo e um outro réu tentou transformar seus advogados em reféns. Amador disse que precisaria de mais informações sobre esses casos para determinar se isso poderia mudar sua opinião sobre o primeiro réu levado a julgamento nos EUA pelos atentados de 2001.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.