Sauditas culpam Al-Qaeda por atentado em Riad

A Arábia Saudita responsabilizou hoje a rede extremista Al-Qaeda, liderada pelo milionário saudita noexílio Osama bin Laden, pelo atentado da madrugada de domingocontra um complexo residencial que deixou pelo menos 11mortos e 122 feridos, entre os quais diversos sauditas,libaneses, americanos, sudaneses e egípcios. Há crianças entre os feridos. Até a noite de hoje, pelo menos25 pessoas haviam sido liberadas pelos médicos depois de seremtratadas por escoriações pequenas."Vamos capturar os responsáveis por isso leve o tempo quelevar", prometeu o ministro do Interior, príncipe Nayef. Oatentado ocorreu a menos de um quilômetro da casa dele e deoutros membros da família real. Dois extremistas, disfarçados de guardas de segurança sauditase dirigindo um veículo policial roubado, burlaram facilmente avigilância e entraram no condomínio residencial de Muhaya, zonaoeste da capital, habitado por sauditas e estrangeiros (algunsdeles, funcionários de embaixadas e consulados). Os invasores detonaram uma poderosa carga de explosivos instalada no veículo depois de diversos disparos de arma de fogo.Um assessor do ministro do Interior insistiu em que ascaracterísticas do atentado suicida não deixam dúvidas quanto aseus mentores e executores: "É mais uma obra da Al-Qaeda." O ataque foi precedido de alertas sobre a existência de planospara atentados extremistas em Riad e outros pontos da ArábiaSaudita, lançados pelos Estados Unidos, que, no dia anterior,fecharam temporariamente sua embaixada na capital saudita. Pátria de Bin Laden, a Arábia Saudita vem sendo alvo defreqüentes atentados extremistas. Em maio, um tríplice ataquesuicida contra um complexo residencial da capital saudita,também atribuído à Al-Qaeda, matou 35 pessoas, entre as quaisnove militantes suicidas. Desde então, as autoridades sauditasempenharam-se numa campanha contra supostos militantes do grupono país e efetuaram várias prisões. A escalada de atos extremistas, temem analistas de economia,pode vir a afetar as exportações de petróleo da Arábia Saudita,maior produtor mundial, com sérios reflexos sobre a economiaocidental.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.