Sauditas negam acordo para favorecer reeleição de Bush

A Arábia Saudita negou acusações contidas no último livro de Bob Woodward, dando conta que o reino fez um acordo secreto com a Casa Branca para forçar a queda dos preços dos combustíveis antes das eleições de novembro, a fim de favorecer a reeleição do presidente George W. Bush. "A alegação de que o reino está manipulando o preço do petróleo por objetivos políticos ou para afetar eleições é errônea e não tem base na realidade", afirmou um comunicado emitido em Riad pelo assessor de política externa saudita Adel al-Jubeir."Nos últimos 30 anos, o reino tem buscado garantir suprimentos adequados de petróleo a preços moderados que são aceitáveis tanto para o produtor quanto para o consumidor. Esta política é consistente, e independe de quem está no poder em países consumidores, incluindo os EUA", acrescentou.Apesar de al-Jubeir não ter mencionado o "Plano de Ataque", de Woodward, ele se referia claramente ao livro, recém-lançado e que se tornou motivo de intensas discussões em Washington e na campanha eleitoral.O porta-voz da Casa Branca, Scott McClellan, disse que o príncipe Bandar bin Sultan, o embaixador saudita em Washington, visitou Bush em abril, já que o presidente sempre mantém contato com nações produtoras de petróleo. "Deixamos nossa posição clara, o preço do petróleo deve ser determinado pelas forças do mercado", disse McClellan.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.