Sauditas negam às mulheres direito a carteiras

O ministro do Interior saudita,príncipe Nayef, reafirmou que o governo do país não tem aintenção de conceder às mulheres autorização para dirigirveículos, anunciou hoje a agência noticiosa oficial SaudiPress. Em uma entrevista à imprensa, o príncipe Nayef tambémnão se comprometeu ao ser interrogado sobre outra reivindicaçãodas mulheres sauditas: a de terem direito a carteiras deidentidade. "Como já disse antes, cada coisa vem a seu tempo",disse o príncipe a respeito do direito feminino a um número deR.G. A vida das mulheres sauditas está sujeita a uma sériequase infindável de restrições. Em público, elas têm de cobrirpraticamente todo o corpo com exceção dos olhos, mãos e pés. Nãopodem viajar, cursar universidade ou arranjar um emprego sem aautorização do homem que desempenha o papel de seu guardião. As mulheres que quiserem retirar dinheiro do banco têmde usar uma "carteira de identidade familiar" sem suafotografia, que as identifica apenas como dependentes de seuspais ou maridos. Tal exigência acaba induzindo à fraude. Algumas mulheres reivindicam sua própria carteira deidentidade, alegando não haver razões para reservar aos homens aexclusividade desse direito. Nayef disse que a Arábia Saudita não mudará sua políticade proibir as mulheres de dirigir, embora só Riad prive destaprática as representantes do sexo feminino. "Isto não é possível, e de qualquer forma o tema (damudança de tal política) não está em estudos", sentenciou opríncipe.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.