Sauditas sacrificam 37 falcões após casos de gripe aviária

As autoridades sauditas sacrificaram 37 falcões sob suspeita de contaminação com o vírus H5 da gripe aviária, informa um comunicado do Ministério da Agricultura divulgado neste domingo pela imprensa saudita.Segundo a nota, um grupo de inspetores de um centro veterinário de Riad, que se encarrega dos pássaros que são utilizados para a caça, descobriu estes casos. Os 37 falcões, cinco dos quais deram positivo, foram sacrificados e queimados, explicou a fonte. Em novembro passado, o reino wahhabista proibiu as importações de pássaros de países vizinhos, decisão que foi tomada depois que o Kuwait anunciou dois casos de gripe aviária.Os cientistas temem que quanto mais o vírus se espalhe maior seja a possibilidade de que sofra mutação para uma forma que possa ser transmitida facilmente a humanos. O tipo de gripe aviária do vírus H5N1 matou 80 pessoas desde 2003.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.