Schoroeder diz que defenderá aliados que foram atacados

O chanceler alemão, Gerhard Schroeder, afirmou na manhã desta quinta-feira, diante do Parlamento alemão, que defenderá os aliados da Otan ?se um deles for atacado?. Schroeder diz que vai seguir as resoluções do Conselho de Segurança da ONU e que ainda acredita em uma solução pacífica para o Iraque. Ele lembrou que a resolução 1441 das Nações Unidas sobre o desarme do Iraque não prevê ?um ação armada automática?. O chanceler argumentou que, ao lado da França, Rússia e outros países, continuará lutando até as últimas forças contra uma guerra no Iraque. ?Uma solução pacífica é possível e nós estamos lutando por isso?. Nesta semana, Alemanha, Rússia e França assinaram uma declaração conjunta pedindo mais tempo para os inspetores de armas da ONU. ?Rejeitar a guerra não quer dizer estar de acordo com a situação?, salientou Schroeder. Schroeder comentou ainda que não será apropriado a Otan decidir planos militares para proteger a Turquia durante o encontro do Conselho de Segurança da ONU, que acontece nesta sexta-feira. O chanceler fez questão de lembrar que a Alemanha tem cerca de 10 mil soldados pelo mundo para ?defender e preservar a paz?, o segundo maior contingente de forças de paz depois dos EUA. ?Poucos países membros da Otan estão tão comprometidos como nós no mundo. Isso não deve ser esquecido?. Segundo Schroeder, a responsabilidade internacional assumida pela Alemanha lhe dá ?o direito e a confiança para defender seu ponto de vista?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.