Schröder diz que ameaça do Iraque não justifica a guerra

O chanceler da Alemanha, Gerhard Schröder, afirmou que a ameaça representada pelo Iraque não justifica uma guerra, que tornou-se ainda mais iminente depois de o presidente dos EUA, George W. Bush, ter dado um ultimato de 48 horas para que o líder iraquiano, Saddam Hussein, deixe o país. "A ameaça representada pelo ditador iraquiano justifica uma guerra, que vai, certamente, matar milhares de crianças, homens e mulheres inocentes? A minha resposta para essa pergunta é: não", declarou Schröder, em mensagem transmitida pela rede de TV ARD. Schröder afirmou que a resolução 1.441 do Conselho de Segurança da ONU, aprovada em 8 de novembro do ano passado, trata do desarmamento, indicando que não há referências sobre uma mudança do regime iraquiano. A Alemanha, França e Rússia foram contrários a uma nova resolução no CS da ONU que daria um prazo curto para que Bagdá concluísse o desarmamento ou enfrentasse a guerra. Schröder declarou que a presença de inspetores da ONU representava um limite à ameaça iraquiana e voltou a defender a concessão de um prazo maior para que os inspetores continuem o trabalho. "Mas, no entanto, eu tenho dúvidas de que a paz terá alguma chance nas próximas horas", declarou. "Independente do que acontecer nos próximos dias e semanas, vocês tenham a certeza de que meu governo vai procurar qualquer chance de paz", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.