Schroeder e Chirac rejeitam proposta dos EUA sobre Iraque

Gerhard Schroeder, chanceler da Alemanha, e Jacques Chirac, presidente da França, disseram nesta quinta-feira que o esboço de proposta feita pelos Estados Unidos para uma nova resolução da ONU sobre o Iraque é insuficiente. Os líderes disseram que a proposta de enviar tropas e dinheiro de todas as nações para o Iraque do pós-guerra não dá às Nações Unidas um papel grande o bastante. Além disso, eles afirmaram que a proposta pouco faz pelo objetivo de entregar ao povo iraquiano o poder sobre o destino de seu país. Schroeder e Chirac afirmaram que vão coordenar suas posições na ONU a respeito da nova resolução proposta pelos EUA. A França detém poder de veto no Conselho de Segurança. Ambos os países estão irredutíveis quanto a dar às Nações Unidas o controle do processo político do Iraque. No esboço apresentado ontem pelo secretário de Estado americano, Colin Powell, Washington não abre mão do papel principal tanto na esfera política quanto na militar. A esperança dos EUA é fazer com que mais dinheiro e tropas internacionais cheguem ao Iraque, uma vez que a responsabilidade seria, teoricamente, dividida, ainda que a liderança continuaria em mãos americanas. "Nós estamos prontos para estudar a proposta de uma forma positiva, mas estamos muito distantes do que acreditamos ser o objetivo prioritário, que é a transferência da responsabilidade política para um governo iraquiano o mais rápido possível", disse Chirac.Ontem, o embaixador da França na ONU chegou a afirmar que seu país apoiaria o novo plano dos Estados Unidos para o Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.