Schroeder e Mandela são contra ataques ao Iraque

Enquanto na Alemanha o chanceler Gerhard Schroeder se manifestava mais uma vez contra a ampliação do conflito militar além das fronteiras do Afeganistão, o ex-presidente sul-africano Nelson Mandela advertia hoje que seria "um desastre" se os EUA e a Grã-Bretanha estendessem a "campanha contra o terrorismo" atacando o Iraque. Em declarações a jornalistas de Berlim, Schroeder afirmou que, se o conflito se estender a outros países, "seria muito difícil manter unida a coalizão contra o terrorismo".Dias atrás, Schroeder e o ministro do Exterior alemão, Joschka Fischer, já se haviam manifestado no mesmo sentido. Hoje, o chefe do governo alemão acrescentou que não vê nenhuma necessidade de estender a guerra, e que nenhum debate sobre o tema foi aberto com outros países.Na Cidade do Cabo, Mandela, prêmio Nobel da Paz, disse que Washington e Londres atuam à margem das Nações Unidas, "algo extremamente perigoso porque cria o caos nos assuntos internacionais". Mandela se manifestou de acordo com os ataques dos EUA contra o Afeganistão "até eliminar o terrorismo naquele país, mas não estou de acordo com que o presidente George W. Bush deva atacar outro país".Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.