Schwarzenegger deixará herança caótica após oito anos

Déficit fiscal, queda da atividade econômica da Califórnia e gastos com previdência marcam gestão do ator

Denise Chrispim Marin ENVIADA ESPECIAL / LOS ANGELES, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2010 | 00h00

LOS ANGELES

O "Exterminador do Futuro" termina seu governo com apenas 26% de aprovação popular e como um peso nulo nas eleições de legislativas do dia 2. Aos 63 anos, o ator Arnold Schwarzenegger, governador da Califórnia, deverá retomar a carreira artística em janeiro de 2011 deixando uma caótica herança no Estado que governou por oito anos. Eleito pelo Partido Republicano em 2003, não imprimirá uma marca emblemática na legenda como outro artista, o ex-presidente Ronald Reagan, conseguiu nos anos 1980.

Na sua gestão, o déficit fiscal do governo estadual subiu para US$ 20 bilhões, em parte devido à queda da atividade econômica, à perda de investimentos para a China, às despesas públicas que não podem ser cortadas sem aval da assembleia Legislativa e à elevação de gastos com a aposentadoria de servidores públicos.

Em situação de desespero, seu governo vendeu edifícios públicos para reduzir a dívida. Os prédios vendidos foram ao mesmo tempo alugados por longo prazo pelo governo para evitar os custos da mudança física da burocracia.

Segundo Darry Sragow, diretor-interino da USC, o sucesso de Schwarzenegger nas urnas deveu-se a seu carisma e ao fato de o eleitor local observar menos o partido e mais o candidato. Por isso, o Exterminador, como é chamado no Estado, foi reeleito em 2006. Nas suas duas gestões, não conseguiu cativar completamente republicanos nem democratas, encampou uma agenda ambientalista que o afastou dos primeiros e manteve uma linha administrativa que provocou resistência no segundo grupo.

"Schwarzenegger não conseguiu tornar-se uma figura da base conservadora. Portou-se como um independente próximo aos democratas, mas sem tornar-se um deles", resumiu Sherry Bebitch Jeffe, professora da Escola de Política, Planejamento e Desenvolvimento da USC.

PROBLEMAS

Imigração

Califórnia é uma das principais portas de entrada de ilegais

Desemprego

Taxa é de 12,4% - quase 3 pontos acima da média do país

Orçamento

Déficit fiscal de mais de US$ 20 bilhões

Energia

Infraestrutura não é suficiente para manter picos de consumo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.