Schwarzenegger está de volta para um novo mandato

O republicano Arnold Schwarzenegger conquistou um segundo mandato como governador da Califórnia nas eleições de terça-feira, com uma vitória decisiva sobre o democrata Phil Angelides. Schwarzenegger foi coroado em um ano em que admitiu erros, voltou ao centro político e ressaltou sua celebridade para ganhar apelo junto ao eleitor. "Adoro fazer seqüências?, disse Schwarzenegger em um comício de vitória em Beverly Hills, onde foi banhado por confetes. ?Esta é, sem dúvida, minha seqüência favorita?. Em um ano em que os republicanos ?bateram cabeça? em toda a nação, Schwarzenegger evitou o mesmo destino ao se posicionar como um ?Arnold republicano? - um negociador bipartidário com estreitos laços com a Casa Branca de Bush. O ator-governador foi também abençoado com um oponente sem brilho que falhou em acender em seu próprio partido em um estado conhecido como fortaleza democrática. A vitória de Schwarzenegger foi um golpe desmoralizador para os democratas do estado que esperavam a saída do atual governador. Mas recentes pesquisas mostraram um Schwarzenegger com renovada popularidade pelo partido e por linhas geográficas, incluindo redutos tradicionalmente democratas. Sua vitória certamente aumentará seu tamanho nacional e trará uma nova leva de especulação sobre seu futuro político. Schwarzenegger já brincou sobre se tornar presidente, mas, por ser nascido nos exterior, ele precisaria de uma emenda constitucional para poder concorrer. Contra-regra O democrata Angelides, de 53 anos, tentou convencer os eleitores de que Schwarzenegger é alma gêmea do presidente George W. Bush, cujos verdadeiros interesses estariam junto a corporações e lobistas, que alimentam financeiramente o governo estadual. Os eleitores ignoraram muito do primeiro mandato do governador. Republicanos do Congresso prometeram reformas, não cumpriram e estavam lutando nas pesquisas. Schwarzenegger prometeu uma reforma dramática, prometendo ?explodir os caixas? do governo estadual, não cumpriu e mesmo assim saiu com a vitória.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.