SDP sinaliza que pode rever aumento dos impostos

Representantes do Partido Social Democrata (SDP) da Alemanha sinalizaram ao longo deste final de semana que estariam dispostos a abandonar a sua demanda por aumento dos impostos se o grupo conservador da chanceler Angela Merkel puder identificar outros recursos para financiar os investimentos necessários para o país.

Agência Estado

06 de outubro de 2013 | 14h13

A aparente disposição do SPD em ajustar essa questão vem logo após as primeiras negociações para a formação de um governo alemão entre os partidos conservadores aliados da chanceler Angela Merkel e o Partido Social Democrata, na última sexta-feira.

Os partidos da coalizão de Merkel - o União Democrata Cristã (CDU) e o União Social Cristã (CSU) - precisam de um novo parceiro após perder a maioria absoluta nas eleições do dia 22 de setembro e depois do seu ex-aliado, o Partido Liberal Democrata (FDP), não conseguir alcançar os votos necessários para ser representado no parlamento.

Em entrevista ao jornal Bild, o presidente do SPD, Sigmar Gabriel, disse neste domingo que para o partido os aumentos de impostos SPD "não são fim em si mesmo". Mesma declaração do companheiro de partido Torsten Albig em uma entrevista à revista Focus neste fim de semana.

Os representantes do partido, no entanto, mantiveram-se firmes em suas demandas por maiores investimentos em infraestrutura e educação. Para o presidente do SPD, o novo governo da Alemanha vai ter que conciliar duas questões opostas: a redução da dívida e maior investimento.

Merkel, em tom similar, delineou neste sábado três questões-chave para o próximo governo: a redução da dívida, o investimento em educação e criação de empregos. "Devemos ter sucesso ao investir 3% do nosso produto interno bruto em pesquisa, para nos mantermos inovadores" e ser capaz de criar empregos de alta qualidade, disse Merkel. A coalização da chanceler se opõe fortemente ao aumento dos impostos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Alemanhasdp

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.