''Se há 300 mil mortos, que nos mostrem os cemitérios''

Na região de Darfur, o envolvimento do governo com as milícias Janjaweed nem sequer é um segredo. O vice-governador da região, Issa Mahmoud, confirmou o vínculo ao Estado, justificando que, em 2003, cada parte no conflito precisava de um aliado. O que o TPI alerta é que o governo foi buscar aliados entre os elementos mais sanguinários e conhecidos por décadas de banditismo, sem qualquer motivação política. Mas Mahmoud agora tenta isentar o governo pelos massacres. Eis os principais trechos da entrevista, dada por telefone de El-Fasher, capital de Darfur NorteO TPI afirma que Al-Bashir é responsável por crimes de guerra. Qual foi sua atuação?Esse é um processo político. Há uma tentativa de isolar o Sudão. Se dizem que há 200 mil ou 300 mil mortos, então que nos mostrem onde estão os cemitérios. Eu não sei onde estão. Não houve mais de 10 mil mortos, e isso de todos os lados do conflito. Há gente que conta até mesmo mortos de fome ou de doenças como parte desse conflito.Como está a situação hoje em Darfur, diante do número de 2,7 milhões de refugiados?Calma. Temos até refugiados voltando para suas casas. O TPI aponta que houve uma cooperação entre as milícias Janjaweed e o governo em massacres... Quando a guerra começou, cada um dos lados buscou aliados para lutar. Foi isso que aconteceu. E isso é normal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.