Gabriela Biló/Estadão - 14/12/2021
Gabriela Biló/Estadão - 14/12/2021

'Se o Biden me convidar, visito também', diz Bolsonaro sobre viagem à Rússia

Presidente minimiza possibilidade de um desgaste diplomático com os Estados Unidos por sua viagem a Moscou no dia 14

Eduardo Gayer, enviado especial a Porto Velho, O Estado de S.Paulo

03 de fevereiro de 2022 | 13h00

PORTO VELHO - O presidente Jair Bolsonaro minimizou a possibilidade de um desgaste diplomático com os Estados Unidos por sua viagem à Rússia, marcada para o próximo dia 14, em meio à crise na Ucrânia

“Brasil é Brasil, Rússia é Rússia. Faço bom relacionamento com o mundo todo. Assim como se [Joe] Biden me convidar, irei aos EUA também com o maior prazer”, declarou Bolsonaro em Porto Velho, antes de se encontrar com o presidente do Peru, o esquerdista Pedro Castillo.

Depois de visitar de os Estados Unidos em diversas oportunidades no governo Trump, de quem era aliado, Bolsonaro ainda não visitou Biden. O líder brasileiro também demorou em reconhecer a vitória do americano nas eleições de 2020.

A tensão entre Washington e Moscou aumentou depois de Biden ter autorizado o envio de 3 mil soldados ao Leste Europeu. A Rússia acusa os EUA de ameaçar suas fronteiras.

Boas relações

Em Porto Velho, Bolsonaro rechaçou ainda quaisquer atritos na relação com o presidente peruano, o esquerdista Pedro Castillo. A declaração foi dada após o próprio Bolsonaro ter criticado a eleição de Castillo no Peru. 

“Queremos América do Sul livre, liberdade de expressão, de imprensa. Logicamente que esse encontro tem a ver com isso, só podemos ter boa relação se democracia imperar”, disse Bolsonaro antes do encontro com Castillo. Questionado se a relação já estaria normalizada, o presidente respondeu “Tudo superado. Todos os países são importantes para nós aqui na América do Sul”. 

O chefe do Executivo ainda afirmou que não discute eleições de outros países, mesmo após se posicionar sobre diferentes disputas pelo mundo. “Política cada um cuida do seu pedaço. Temos interesse e povo é responsável por suas escolhas. Não vou discutir se povo votou certo ou errado em qualquer lugar do mundo. Temos experiência de alguns países aqui na América do sul, parece que não deu certo. Parece que é sinal de alerta”, disse o presidente.

 Bolsonaro se reuniu com Castillo no Palácio Rio Madeira, sede do governo de Rondônia. “Vamos tratar de questões de defesa, crimes transnacionais, comércios, cooperações das mais variadas possíveis. O espírito de um bom relacionamento. Os dois países têm muito a ganhar com isso”, declarou o presidente antes do encontro. “A expectativa é que seja um encontro bastante produtivo. O Brasil está bem no mundo todo”. 

De acordo com o chefe do Executivo, uma rodovia para dar acesso do Brasil ao Oceano Pacífico também estará em pauta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.