EFE/Mario Guzmán
EFE/Mario Guzmán

Se o México não nos tratar de maneira justa, iremos por outra direção, diz Trump

Presidente minimiza cancelamento de reunião com Peña Nieto e promete rever transações defeituosas do Nafta

O Estado de S.Paulo

26 Janeiro 2017 | 16h56

WASHINGTON  - Horas depois de o presidente do México, Enrique Peña Nieto, cancelar sua visita a Washington, o presidente americano, Donald Trump, disse que, se o México não tratasse os Estados Unidos de maneira justa, "teremos de ir em outra direção".

Trump voltou a insistir, sem dizer como fazê-lo, de que o país vizinho pagará pelo muro que pretende construir na fronteira entre os dois países. Ele também criticou o Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta) e prometeu rever o acordo e suas "transações defeituosas". 

As declarações de Trump foram dadas em um discurso feito para parlamentares republicanos na Filadélfia. Em seu pronunciamento, ele também discorreu sobre planos de campanha, como o fim do Obamacare  e o combate ao terrorismo.

Peña Nieto  cancelou  a viagem que faria a Washington para se reunir com o presidente americano Donald Trump  na terça-feira. A decisão foi tomada após o republicano ter ameaçado cancelar a reunião se o mexicano não aceitasse pagar pela construção de um muro na fronteira entre os dois países - uma das principais promessas de campanha de Trump. Peña Nieto reagiu com irritação ao decreto assinado ontem pelo republicano que estabelecia a criação do muro. 

"Informei nesta manhã à Casa Branca que não participarei da reunião de terça-feira com o presidente", disse Peña Nieto em sua conta no Twitter. 

Mais cedo, também no Twitter, Trump criticou o México e afirmou que o vizinho deveria cancelar a próxima reunião entre os líderes dos dois países caso os mexicanos não queiram pagar pelo muro que Trump pretende construir na fronteira sul dos EUA.

"Os EUA têm um déficit comercial de US$ 60 bilhões com o México. Trata-se de um acordo unilateral desde o início do Nafta, com um número enorme de empregos e empresas perdidas. Se o México não está disposto a pagar pelo muro, que é um mal necessário, então seria melhor cancelar a próxima reunião", afirmou Trump.

Ainda ontem, a Casa Branca explicou que pedirá ao Congresso os recursos para construir o muro na fronteira e depois o valor seria "reembolsado".  Trump insiste, sem apresentar provas objetivas de como fará isso,  que o México pagará pela obra. 

"Lamento e reprovo a decisão dos Estados Unidos de prosseguir com a construção de um muro que há anos, distante de nos unir, nos divide. E afirmo mais uma vez: o México não pagará por qualquer muro", declarou Peña Nieto, também no Twitter. 

A assinatura do decreto ocorreu num momento em que o chanceler mexicano, Luis Videgaray, e o ministro da Economia, Ildefonso Guajardo, se encontravam em Washington para dialogar sobre o novo rumo da relação com os Estados Unidos e para preparar a visita de Peña Nieto e a reunião com Trump. / REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.