Secretaria da Defesa diz que David Kelly falou mesmo com BBC

A Secretaria da Defesa (ministério) britânica afirmou que o especialista em armas David Kelly, que provavelmente é o homem encontrado morto pela polícia britânica, havia mantido contatos com o repórter da BBC Andrew Gilligan. O repórter publicou reportagens em que acusava o governo Tony Blair de inflar acusações contra o Iraque num dossiê a respeito de suposto arsenal iraquiano quando Inglaterra e Estados Unidos ainda rumavam para a guerra. O Secretaria disse que David Kelly não foi ameaçado com suspensão ou demissão por ter conversado com o repórter. Ele foi avisado, contudo, de que seu comportamento estava fora das regras do serviço público civil inglês, segundo um porta-voz. Ao confessar que manteve contato com o repórter da BBC, David Kelly também teria negado ser a fonte das matérias em que a emissora acusa o governo de deturpar dados sobre o arsenal iraquiano. A comissão para assuntos internacionais da Câmara dos Comuns, uma das casas do parlamento britânico, interrogou David Kelly nesta semana. Após seu depoimento, os Comuns disseram que era pouco provável que Kelly tivesse sido a fonte da BBC. E mais: que Kelly, que foi inspetor de armas no Iraque, teria sido tratado de maneira ruim pelo governo, uma acusação rejeitada com veemência pela Secretaria da Defesa. Um membro da Câmara dos Comuns, o "Tory" (do Partido COnservador) John Maples, disse que, se o corpo encontrado hoje for de David Kelly, ?deve haver mais nisso do que havíamos pensado. Não sei o que isso significa, só penso que há?. As informações são do site da BBC em português. Para ler o noticiário da BBC, que é parceira do estadao.com.br, clique aqui. Para ler mais sobre o caso: »Uma cronologia para ajudar a entender o caso David Kelly »Casa Branca libera documentos da CIA vinculados ao caso do Iraque »Escritório de Blair quer investigar caso do especialista em armas »Polícia avança na identificação de corpo de perito em armas britânico »Encontrado corpo na busca por especialista em armas do Iraque

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.