Secretária de Obama acusada por 'casal penetra' vai sair

A secretária de Relações Públicas da Casa Branca, Desiree Rogers, vai deixar seu cargo a partir do próximo mês, disseram hoje dois funcionários da Casa Branca. Ela é amiga do presidente Barack Obama e da primeira-dama Michelle Obama desde quando o casal morava em Chicago. Rogers foi criticada pela condução do jantar dado ao primeiro-ministro indiano Manmohan Singh, quando um casal de penetras entrou na Casa Branca, onde estava Obama, sem permissão. Rogers era a responsável pela recepção.

AE-AP, Agencia Estado

26 de fevereiro de 2010 | 20h12

Posteriormente ela reconheceu não ter funcionários de seu escritório nos postos de segurança para ajudar a identificar os convidados. Legisladores exigiram que ela testemunhasse no Congresso sobre a realização do evento e um deles queira intimá-la judicialmente. A Casa Branca não permitiu que ela comparecesse.

Rogers, de 50 anos, disse ao jornal Chicago Sun-Times, hoje, que está deixando o cargo porque atingiu seu maior objetivo para os Obamas: transformar a Casa Branca na "casa do povo" ao abri-la para muitos que normalmente não poderiam visitá-la. "Meu trabalho foi realmente criar este padrão. Eu acho que concluí meu trabalho", disse ela ao diário de sua cidade natal. "Nosso escritório foi capaz de estabelecer as fundações do que será conhecido como ''a casa do povo''".

Rogers disse que planeja explorar as oportunidades do mundo corporativo. Os dois funcionários da Casa Branca falaram em condição de anonimato porque o anúncio formal ainda vai ser feito.

Nova York

Hoje também, o governador de Nova York, David Paterson, anunciou que suspenderá sua campanha e não concorrerá à reeleição em novembro. Paterson havia sido acusado de intervir em uma investigação de violência doméstica em benefício de um de seus assessores.

Sua campanha havia sido oficialmente lançada na semana passada. A jornalistas, Paterson disse que "um acúmulo de obstáculos" impediu sua candidatura.

Com informações da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.