Secretário da ONU condena filme holandês como 'antiislâmico'

O secretário-geral da ONU, BanKi-moon, condenou nesta sexta-feira como "ofensivamenteantiislâmico" um filme de um parlamentar holandês que acusa oAlcorão de incitar a violência. Ban reconheceu os esforços feitos pelo governo da Holandapara impedir a exibição do filme -- lançado na Internet porGeert Wilders, um crítico do Islã -- e fez um apelo "aos queficarem compreensivelmente ofendidos" para que mantenham acalma. "Não há justificativa para um discurso de ódio ouincitamento à violência", disse Ban em um comunicado. "Nestecaso, a liberdade de imprensa não está em risco." O curta-metragem, intitulado "Fitna" (um termo árabetraduzido algumas vezes como "briga"), entremeia imagens dosataques de 11 de setembro contra os Estados Unidos, atentadosde radicais islâmicos e citações do Alcorão. O filme faz um chamado aos muçulmanos para que removam doAlcorão os versos "repletos de ódio". Ele começa e termina comuma charge do profeta Maomé com uma bomba em seu turbante e osom de um tique-taque. Vários países muçulmanos, entre os quais o Irã, Paquistão eIndonésia, condenaram o filme. "A liberdade deve sempre estar acompanhada deresponsabilidade social", disse Ban. "Nós temos de reconhecer que a verdadeira linha divisórianão é entre muçulmanos e sociedades ocidentais, como algunsgostariam de nos fazer acreditar, mas entre pequenas minoriasde extremistas, de diferentes lados, com um amplo interesse emprovocar hostilidade e conflito", declarou Ban. (Reportagem de Lewis Krauskopf)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.