Secretário de Comissão Eleitoral afegã renuncia após denúncia de fraude

Candidato à presidência Abdullah Abdullah revelou conversas telefônicas entre Amarkhail e membros da equipe do adversário

O Estado de S. Paulo

23 de junho de 2014 | 15h17

CABUL - O secretário da Comissão Eleitoral Independente (IEC, em sua sigla em inglês) do Afeganistão, Zalilul Haq Amarkhail, apresentou nesta segunda-feia, 23, sua renúncia após acusações de fraude do candidato à presidência Abdullah Abdullah.

Amarkhail anunciou a renúncia durante uma entrevista em Cabul depois de três dias de protestos dos seguidores de Abdullah em várias cidades do país contra o que chamam de processo eleitoral fraudulento.

A renúncia ocorre um dia depois que Abdullah revelou conversas telefônicas entre o secretário e supostos membros da equipe do candidato Ashraf Gani, nas quais se falava de fraude durante o segundo turno do pleito realizado dia 14. No primeiro turno da eleição, Abdullah obteve 45% dos votos contra 31% dos votos de Gani.

Amarkhail disse que sua saída do cargo não se deve à revelação das conversas, que chamou de falsas, nem a pressões por parte da Comissão, "mas pelo bem do processo e dos interesses nacionais".

Abdullah reiterou que a gravação é "autêntica" e assegurou que possui "outros documentos e evidências". O candidato presidencial afirmou que seu pedido de paralisação da apuração de votos não foi uma estratégia para influenciar o processo eleitoral, mas para garantir "a integridade das eleições".

"Não queremos interromper o processo eleitoral, mas não achamos que tenham sido depositados cerca de 8 milhões de cédulas, como declarou a Comissão Eleitoral", afirmou o candidato.

Abdullah exigia a renúncia de Amarkhail, dizendo que ele era o principal responsável pelas irregularidades nos votos emitidos e suavizou as acusações contra o presidente afegão, Hamid Karzai, dizendo que ele "nunca interferiu nas eleições".

O candidato tinha acusado na semana passada Karzai de manipular os resultados da eleição a favor de Gani. Em 2009,após denunciar fraude maciça, Abdullah retirou sua candidatura para o segundo turno da eleição, vencida por Karzai.

Após as denúncias, Abdullah pediu a intervenção da ONU na observação da apuração eleitoral, proposta aceita por Karzai, que deixará o cargo após quase 13 anos de mandato.

A ONU assegurou nesta segunda, em comunicado, que a renúncia de Amarkhail "é um passo que ajuda a proteger a histórica transição política no Afeganistão". "A ONU reconhece com satisfação que a decisão tomada pelo secretário da IEC antepôs o interesse nacional ao pessoal e optou por eliminar qualquer motivo que pudesse provocar receio no processo eleitoral." / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.