AP Photo/Rahmat Gul
AP Photo/Rahmat Gul

Secretário de Defesa dos EUA faz visita surpresa a Cabul

Pouco antes de sua chegada, pequenos foguetes explodiram nos arredores do aeroporto de Cabul; Taleban assumiu autoria da ação e disse que alvo era o avião da autoridade americana

O Estado de S.Paulo

27 Setembro 2017 | 07h51
Atualizado 27 Setembro 2017 | 08h35

CABUL - O secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, chegou à capital do Afeganistão em uma visita surpresa nesta quarta-feira, 27. Ele é o primeiro membro do gabinete do presidente dos EUA, Donald Trump, a visitar a região desde o anúncio de uma nova estratégia para o país, prometendo uma intensificação da campanha militar contra os insurgentes do Taleban. Eles ganharam terreno em um momento no qual tentam restabelecer a lei islâmica depois da derrubada do regime liderado pelo grupo em 2001.

Mattis disse que os EUA enviarão mais 3 mil soldados ao Afeganistão para ajudar a treinar as forças de segurança afegãs que combatem os taleban e outros grupos militantes. O secretário de Defesa chegou acompanhado pelo chefe da Otan, Jens Stoltenberg.

Atualmente existem cerca de 8,4 mil militares americanos no território afegão. A maioria deles aconselham as forças afegãs, mas alguns estão envolvidos em operações contra o Taleban.

+ Artigo: A guerra da qual Trump não quer sair

Os rebeldes prometeram fazer do Afeganistão um "cemitério" para as forças estrangeiras e incrementaram seus ataques, enquanto controlam amplas zonas do país. Os generais americanos consideraram durante meses que a situação no país estava "estancada" após anos de apoio às tropas afegãs, ajuda contínua do contingente da Otan e um custo de reconstrução de US$ 1 trilhão para os EUA.

Explosões

Mattis chegou a Cabul horas depois de ao menos seis pequenos foguetes explodirem nos arredores do aeroporto da capital, informou a polícia. Não havia relatos de vítimas ou danos provocados pelo ataque, cuja autoria foi reivindicada pelo Taleban. O grupo afirmou que o alvo era o avião do secretário de Defesa americano.

Os insurgentes costumam lançar foguetes de pouca precisão em direção à capital a partir de colinas próximas. O tráfego no aeroporto é "normal", indicou pouco depois o porta-voz do Ministério do Interior, Najib Danish. / REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.