Secretário de Defesa dos EUA visita as tropas no Afeganistão

O secretário de Defesa dos EUA, Donald Rumsfeld, chegou neste domingo de surpresa ao Afeganistão e foi recebido na base aérea de Bagram pelo futuro ministro interino da Defesa, Mohammed Qassin Fahim, da coalizão Aliança do Norte.Rumsfeld é a mais alta autoridade norte-americana a visitar o país desde o início da campanha de bombardeios em 7 de outubro e também nos últimos 20 anos. Antes, ele passou pelas ex-repúblicas soviéticas do Azerbaijão, Armênia e Geórgia, sem anunciar que faria a parada em Cabul.A visita-relâmpago de Rumsfeld foi marcada por extraordinárias medidas de segurança. Jatos norte-americanos rastrearam o céu sobre Bagram antes de seu avião aterrissar. Ele não saiu da base aérea situada a 50 quilômetros de Cabul. A parada no país foi para cumprimentar os soldados norte-americanos por sua campanha no Afeganistão e manter conversações com o futuro chefe do governo interino afegão, o comandante pashtun Hamid Karzai, que combateu o Taleban com o apoio dos EUA.Karzai agradeceu-o pela ajuda norte-americana na derrota do Taleban enquanto o secretário reafirmou que os EUA não têm pretensão sobre o território afegão. A imprensa não teve acesso ao local. Rumsfeld declarou mais tarde aos jornalistas ter dito ao futuro chefe de governo que, desde o início, os EUA tentaram deixar claro que a operação "não era contra o Afeganistão, o povo, a religião. Era contra o terrorismo".O secretário agradeceu aos soldados norte-americanos por "mandarem a mensagem de que os atos terroristas não ficarão impunes". "O World Trade Center ainda está queimando enquanto nos sentamos aqui. Ainda estão tirando corpos de lá. Felizmente, as cavernas e túneis de Tora Bora também estão queimando."Ao chegar a Tbilisi, capital da ex-república soviética da Geórgia, Rumsfeld informou que cerca de 2 mil combatentes da organização terrorista Al-Qaeda estavam fugindo da região de Tora Bora, a leste de Jalalabad, mas frisou que essa estimativa sobre o número de militantes era de comandantes tribais locais, não das forças norte-americanas no Afeganistão.Rumsfeld disse que materiais recuperados no fim de semana em um acampamento de treinamento terrorista abandonado, no sul do Afeganistão, estão sendo estudados porque podem ser provas de que a Al-Qaeda estavam desenvolvendo armas de destruição em massa.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.