EFE/Abir Sultan
EFE/Abir Sultan

Secretário de Estado americano visitará Muro das Lamentações ao lado de Netanyahu

Iniciativa é uma ruptura da tradição diplomática americana de não visitar o local

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de março de 2019 | 13h00

WASHINGTON - O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, visita nesta quinta-feira,21, o Muro das Lamentações em Jerusalém Oriental, ao lado do primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu. A iniciativa é uma ruptura da tradição diplomática americana de não visitar o local. Pompeo será o funcionário de maior hierarquia do governo americano a visitar o local de oração sagrado para os judeus, informaram dois ex-diplomatas americanos.

O Muro das Lamentações fica em Jerusalém Oriental, ocupada por Israel em 1967 e depois anexada. Israel considera toda Jerusalém como sua capital. Os palestinos reivindicam a parte oriental como a capital do Estado a que aspiram. A comunidade internacional vê a anexação de Jerusalém Oriental como ilegal e considera o setor como território ocupado.

Em maio de 2017, o presidente americano, Donald Trump, foi o primeiro presidente americano em exercício a visitar o Muro das Lamentações, mas sem estar acompanhado por uma autoridade israelense. "É algo que conversei com o primeiro-ministro Netanyahu há algum tempo e é nossa primeira oportunidade para irmos juntos", disse Pompeo.

"Acredito que é importante, acredito que é simbólico que um alto funcionário americano vá com o primeiro-ministro de Israel", completou, ao citar um "local muito importante para várias religiões".

Trump e o vice-presidente americano, Mike Pence, visitaram o local, mas sem Netanyahu. Pompeo não quis responder se a visita representa uma evolução da maneira como os Estados Unidos consideram o Muro das Lamentações.

A visita de Pompeo a Israel acontece durante a campanha das eleições legislativas de 9 de abril, nas quais Netanyahu aspira a um novo mandato.

Netanyahu aproveita cada oportunidade para aparecer em público ao lado de autoridades americanas. Na próxima semana, viajará para Washington, onde se reunirá com Trump.

O presidente americano já rompeu o consenso internacional em vigor há várias décadas, ao reconhecer no fim de 2017 Jerusalém como capital de Israel. Esta decisão provocou muitas críticas e a suspensão do diálogo com os palestinos.

Nesta quinta-feira, Pompeo visitou a nova embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.